a dimensão subjetiva

texts2_1463.png

a dimensão subjetiva do objeto doméstico – ou – o objeto doméstico em suspensão

Reginaldo Pereira, maio de 2008

A artista Bettina Vaz Guimarães desenvolve seu repertório por meio de uma linguagem baseada em naturezas-mortas, representando objetos recorrentes do seu cotidiano doméstico. A escolha dos objetos (apontador de lápis, grampeador, frascos, liquidificador, suvenirs, cadeira, luminária, etc) implica à primeira vista uma noção do ambiente da casa e do possível convívio no seu interior.

Dessa maneira esses utensílios expressariam um “retrato” da artista, contextualizando particularidades do seu modo de vida e da sua intimidade. No entanto ao esvaziar o conteúdo funcional dos objetos em benefício da representação, a obra é dotada de um sentido de suspensão; não temos um retrato nítido da artista. Os objetos representados situam-se no trânsito do afetivo e do banal, da memória e do inusitado, do íntimo e do coletivo.
Em suas pinturas, a justaposição dos objetos com suas escalas alteradas, anima o inanimado - há um estado de alegria anunciada na obra. Reitera a imagem o tempo todo com camadas e camadas de tinta, sem precisar ser preciosa. Já nos desenhos quase monocromáticos de grandes dimensões, há o isolamento de apenas um objeto que flutua sobre o espaço branco do papel modulado, a permitir cada vez mais a expansão da sua escala.

As linhas toscas de cores que insistem em confundir-se com o preto, misturam-se com breves sugestões de luz e sombra, como se buscasse um lugar para assentar o objeto. Por meio do exercício simultâneo entre pintura e desenho, apresenta-nos com suas fronteiras diluídas: uma pintura que se faz quase por desenho, e por outro lado o desenho que reivindica tornar-se pintura.

A obra de Bettina está em constante estruturação, num movimento contínuo sem se fixar uma forma/arranjo definitivo. Há uma atitude afirmativa do mundo e do mundo da arte no seu processo. O exercício contínuo garante o domínio da linguagem, percebemos algo próprio e valioso conquistado nesse percurso.
 

 


textos.essayssilvia ribeiro